Pesquisar este blog

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Críticas, internet e liberdade de expressão

Hoje começa uma boa maratona: a de entrega de 26 infocentros para Belém e mais cinco pontos de área livre de internet. De manhã, o da Fábrica Esperança e à noitinha, na paróquia São Miguel Arcanjo, no bairro da Cremação.

Espaços públicos com internet gratuita é mais um ponto de inclusão social e já são 68 infocentros em todo o Pará. Com liberdade de expressão e internet ao alcance do povo.

------------------------

Olha, eu acho que mesmo que tenham críticas e críticas contundentes, mas também tem críticas construtivas e eu acho que isso é bom. Eu vejo o lado positivo.

Acho que minha mãe quando ela me deu pra ler Poliana, ela me ensinou isso, a tentar ver sempre o lado positivo das coisas.

Então, é claro que a oposição também se expressa pela internet, mas isso é democrático. E nosso Governo é assim, é um Governo que tem essa característica de Governo mais aberto, Governo democrático.

Por outro lado, muitas vezes tem uma forma de crítica que ela não é uma crítica ao governo, Ana Júlia mas ela faz uma crítica no sentido de que olha, dá uma opinião diferente. E muitas vezes a gente ouve aquela opinião e constata que aquela pessoa tem razão, que aquele caminho pode não ter dado certo, ou uma política pública que alguém identifique que não está sendo bem executada, ali na ponta, no município, e muitas vezes eu não tenho como saber, mas a pessoa que está ali na ponta tem.


Apesar de nós termos comissão de fiscalização, nós temos os agentes do PTP {Planejamento Territorial Participativo}, que são os agentes do Processo de Participação Popular do Governo, inclusive têm acesso à internet, podem colocar lá o seu relatório na internet de como é que está tal política pública, a gente tem esse acompanhamento, a gente faz questão que a sociedade acompanhe.


Então, eu acho que o processo da internet tem isso. Por outro lado eu fico pensando: quantas oportunidades as pessoas vão ter de se informar, de ajudar nos trabalhos da escola, de ajudar no seu trabalho profissional.

Uma pessoa que não tinha acesso à internet, uma pessoa que inclusive já tem sessenta anos, como eu vi, às vezes até a pessoa de setenta anos, de mais de setenta anos, que não tinha, digamos, uma intimidade maior com o computador e que faz aí um curso de computação, que aprendem e que passam a ter uma nova perspectiva até de vida, muda a vida das pessoas.


E o bloqueio na internet?


É verdade. Eu determinei esse bloqueio e aí eu costumo dizer que falou mais forte a mãe, mais até do que a governadora.

Por quê?

Porque eu acho que tem alguns conteúdos que também se chega através da internet, que eles não contribuem em nada com a formação, nem da nossa juventude, nem do nosso povo. Nem formação política, nem formação intelectual. Que são os conteúdos de sites de violência e sites pornográficos. Portanto, esses, eu determinei sim: através do Navega Pará você não vai conseguir acessar esse tipo de site, porque eu determinei o bloqueio e eu não tenho dúvida de que eu tenho o apoio das famílias, das mães, eu tenho o apoio dos pais para esse tipo de bloqueio, porque ele não contribui em nada com a formação, com o caráter do nosso povo. Especialmente da nossa juventude.


8 comentários:

Flávio Costa disse...

Gostei do Inclusão Social.
Na verdade é isto que este tipo de ação proporciona.

Blog Ana Júlia disse...

Flávio,

é isso, é inclusão social de verdade.
Abraço,

Franssinete Florenzano disse...

Governadora, transcrevo aqui uma denúncia que acabo de publicar no meu blog. É claro que a Sra. não sabe disso. Peço as providências, com a urgência necessária.

Em recente concurso público da Adepará para o cargo Técnico em Defesa e Inspeção Agropecuária, que exige formação em Medicina Veterinária, destinado a preencher vagas no pólo Itaituba, a candidata aprovada em 1º lugar na prova escrita, Indira Nadja Vasconcelos de Oliveira, foi lotada em Aveiro, apesar de ter solicitado ficar no município pólo e ter primazia na escolha - Francisco Danilo de Aguiar Oliveira, que se classificou em 1º lugar por causa da prova de títulos, optou por Rurópolis -, e foi contemplada com Itaituba a última colocada, Selma Damasceno da Cunha, que inclusive já está respondendo pela chefia da agência, na ausência do titular que está em tratamento de saúde.

Antes de entrar com mandado de segurança para assegurar o que lhe é de direito, conquistado com muito esforço, e que lhe foi retirado pelo tal QI - Quem Indica, a jovem veterinária, de uma pacata família itaitubense, pediu-me que levasse o caso a público, a fim de dar oportunidade à governadora Ana Júlia Carepa de reverter a irregularidade e apurar as responsabilidades de quem a praticou.

Cássio disse...

Governadora, não gosto de evidenciar esses assuntos, mas como se trata de personagem pública e de grande expressão de nossa terra, além do seu Blog ser um importante canal de informação, lamento informar que hoje faleceu o pai de nosso querido Ronaldo Silva, nosso companheiro também lá no Curro Velho. Olivar, amigo de infância de Ronaldo, estava preocupado com o possível abatimento do Ronaldo, diante de estar se recuperando de ciurgia recente. Aproveito o seu blog para enviar daqui minhas solidariedades ao Ronaldo e sua família por lamentável perda.

Saulo disse...

Olá blog da Ana Júlia,

Aproveito esse post para divulgar o site VoteNaWeb . Tal site mostra projetos de lei que são enviados pelos integrantes do Congresso Nacional, tanto Deputados e Senadores. Há a possibilidade de "votar" nos projetos, mostrando a aceitação ou não pelos visitantes.

Necessário para sua lista.

Blog Ana Júlia disse...

Cássio,

soube há pouco do falecimento do pai do Ronaldo e desde já, meus sentimentos à família do Ronaldo.Perder um ente amado é sempre um baque e muito importante ter a solidariedade e o carinho de amigos do seu porte.
Obrigada pela informação,

Blog Ana Júlia disse...

Franssi,

bom dia e obrigada por aguardar resposta ao questionamento feito pela servidora Indira Nadja.

A demora foi o tempo para que os setores envolvidos diretamente visssem o que aconteceu e pudessem dar a resposta.

Você está a par da urgente necessidade de nomear os aprovados no concurso público, tanto pela grave carência de servidores no interior do estado e também pelo acordo judicial firmado no Ministério Público do Trabalho – PRT 8ª Região, o que ocasionou o mecanismo de nomeação simultânea de todos os candidatos aprovados para os pólos ofertados no concurso, para a respectiva posse e efetivo exercício dos concursados.

A nota final do concurso é a nota final das provas objetivas acrescida da nota da prova discursiva e da pontuação obtida na avaliação de título. Os aprovados foram classificados e ordenados por cargo – formação – pólo segundo a ordem decrescente da nota final do concurso, observados pros critérios de desempate, conforme homologação do concurso publicada no edital Nº 13/209 – SEAD/ADEPARÁ de 24/09/2009, Diário Oficial Nº 31512 de 25/09/2009. Portanto, o critério de nomeação regular segue obrigatoriamente a classificação expressa da homologação já citada.

Também de acordo com o item 6.7.9 do edital nº 04/2009 – SEAD/Adepará de 20/032009 que dispõe “em caso de aprovação e eventual nomeação o candidato entrará em exercício em qualquer um dos municípios que compõem o pólo de sua opção conforme a necessidade da Adepará" sendo, portanto, regular e legítima a lotação da candidata.

Espero, Franssi, ter respondido a indagação, reafirmando que não existe determinação de lotar qualquer servidor ou servidora por QI - Quem Indica - e sim pela ordem de classificação. Essa é minha determinação para todo o governo e tem causado muitos problemas pois há setores de aprovados que não aceitam ir para o interior. Por exemplo, tenho que contratar professores de Química e Geografia para Afuá, porque nenhuma professor aceita se deslocar da capital para lá.
Caso se sinta prejudicada, é direito legítimo da servidora e de qualquer pessoa buscar a mediação da Justiça.
Um abraço, Franssi .

Ézyo Lamarca disse...

A censura nunca vai ser a solução para a formação de nossas crianças e jovens.
Num primeiro momento pode parecer o correto, mas a médio e longo prazo se prova ineficaz.
Como diz o ditado: "devemos criar os filhos para o mundo e não um mundo para os filhos".
A educação é a resposta!
Como disse São Paulo: "tudo me é lícito, mas nem tudo me convém fazer"!
Devemos educar para que não precisemos ficar com vigilantismo.
Fortelecer o caráter e a moral de nossas crianças e jovens é melhor do que assumir que eles não terão condições de fazer a crítica dos conteúdos disponíveis.
Censura é algo temoroso, que abre precedentes perigosos.
Alternativas existem e trazem resultados muito mais satisfatórios e duradouros.