Pesquisar este blog

sexta-feira, 22 de março de 2013

Calúnia desmascarada: Auditoria do TCE comprova que recursos do 366 foram corretamente aplicados

Agradeço ao deputado Carlos Bordalo (http://bordalo13.blogspot.com.br/) pela divulgação do Relatório de Auditoria Especial feita pelo Tribunal de Contas do Estado sobre a Operação de Crédito nº 10.2.0517.1, contraída pelo Governo do Pará junto ao BNDES, como forma de compensar o estados pelas perdas de arrecadação decorrentes da dimunição do repasse do Fundo de Participação dos Estados.

O relatório "não apontou irregularidades de natureza grave capaz de ensejar a adoção de medidas saneadoras". A investigação foi feita a partir de vários documentos e "em amplas ações desenvolvidas pelos técnicos envolveram análise de documentos, inclusive daqueles encaminhados pelo BNDS, consulta ao sistema do SIAFEM e BO e inspeção in loco; ações essas que impingiram maior segurança no confronto dos contratos de operações de crédito analisados", "e, do complexo de informações obtidas, foi possível constatar que as irregularidades apontadas pelo relatório da AGE não evidenciaram o cometimento de prática intencional por parte dos agentes responsáveis."

A investigação concluiu ainda que "as suspeitas levantadas pela AGE são oriundas de fatos e suposições não comprovados, portanto pairam sob o plano da subjetividade, razão que originou a reanálise por esse tribunal".

O relatório confirma aquilo que dissemos aqui neste blog e nas redes sociais: "...não houve utilização de um mesmo documento fiscal para comprovar despesas oriundas de projetos distintos, e nem o pagamento de despesas em duplicidade".

A verdade foi reposta. Aguardo a retratação do senhor governador, conforme sugestão do meu querido amigo Bordalo. Convoco todos os ativistas das redes sociais a cobrar a retratação também!!!

Veja abaixo a resolução do TCE na íntegra:






4 comentários:

Guerreiro disse...

E como fica a responsabilidade do pau mandado Amoras,travestido de Auditor Geral do Estado, nesse caso????

Demtrius Lemos de Souza disse...

Eu já sabia da verdade! A companheira ANA JULIA CAREPA, defendeu e continua defendendo o povo desse Estado, com políticas públicas que de fato vão ao encontro dos interesses do povo.
Parabéns ANA, por tudo o que foi feito pelo nosso Estado, e perdão pela falta de reconhecimento do povo.

Blog Ana Júlia disse...

Estou avaliando a possibilidade de medidas judiciais com advogado. Mas com certeza nao deixaremos impune a calúnia que sofremos!

Romerson Rodrigues disse...

Oi Ana, boa tarde!
A máscara do simão lorota e sua turma CAIU.
Nós já sabíamos e tinhamos a certeza que as operações que envolveram o 366 era toda dentro da legalidade. Analisamos e estudamos os três tendenciosos Relatórios de Auditorias feitas pela AGE, em cima da referida operação e o PT publicou o seguinte:
 NOSSO GOVERNO APLICOU DE FORMA CORRETA OS RECURSOS
A efetiva aplicação dos recursos é facilmente identificada no quadro do relatório de Auditoria nº 017/2011, página 337, na coluna “VALOR DA DESPESA NA FONTE DE RECURSOS DE ACORDO COM SIAFEM 2010”, no item “VALOR” , o total é de R$ 285.466.866,36, realizada pela AGE.
 Os recursos foram aplicados de FORMA CORRETA em diversos projetos, tais como: Santa Casa, contrapartidas para as obras do PAC, pavimentação de estradas, Navega Pará, distritos industriais, dentre outros.
 NÃO HÁ DUPLICIDADE DE PAGAMENTOS
 O instrumento adequado para comprovação dos pagamentos são as ordens bancárias vinculadas às notas fiscais.
 Não há no relatório da AGE e nem da SEPOF ORDENS BANCÁRIAS QUE COMPROVEM DUPLICIDADE DE PAGAMENTO OU DESVIO DE RECURSOS
 DESAFIAMOS O GOVERNO JATENE A APRESENTAR ORDENS BANCÁRIAS QUE DERAM ORIGEM AO SUPOSTO DESVIO DE RECURSOS.

Agora o Relatório do TCE e a Resolução do MP ratificam a nossa resposta para toda a sociedade paraense.
Parabéns Ana Júlia pela honestidade e lealdade ao povo do Pará quando Você esteve governando este Estado.

Abs.!
ROMERSON RODRIGUES