Pesquisar este blog

domingo, 28 de agosto de 2011

O Silêncio dos Indecentes - por Eduardo Guimarães



Ao constatar o silêncio sepulcral que se derramou sobre a grande mídia neste fim de semana, logo após a denúncia que a revista Veja fez contra o ex-ministro José Dirceu e a que este fez contra a revista, fiquei imaginando quantos jornalistas sérios existem nesses grandes veículos que podem estar tendo a decência de se indignar com seus patrões por estarem impedindo que façam seu trabalho.
Para quem chegou agora ao noticiário político e não sabe sobre o que se refere esse caso, ou para você que, aí no futuro, está lendo o que escrevi no passado, explico que o ex-ministro José Dirceu, no fim de agosto de 2011, denunciou em seu blog que a revista Veja mandou um repórter tentar invadir seu apartamento em um hotel de Brasília pouco antes de publicar matéria com a “revelação” de que se reunia, ali, com correligionários políticos.
Na matéria, a revista Veja fez suposições sobre as razões que levaram aqueles políticos a se reunirem no hotel Naoum, em Brasília, baseando-se na premissa inverídica de que por Dirceu estar sendo processado pelo Supremo Tribunal Federal pelo “escândalo do mensalão” e por ter tido cassado seu direito de disputar eleições estaria impedido, de alguma forma, de fazer articulações políticas. As suposições, surpreendentemente, são tratadas como fatos pela matéria da Veja.
Uma das suposições da matéria é a de que, por ter se reunido com seus correligionários petistas em data próxima à queda do ex-ministro da Casa Civil Antonio Palocci, Dirceu teria tramado com eles a retirada de apoio do PT a ele, o que teria determinado a sua demissão pela presidente Dilma Rousseff. Não houve escuta ou indício maior para a Veja fazer tal afirmação. A revista apenas supôs e publicou como se fosse fato.
Apesar de não haver matéria alguma nesse fato sobre os encontros de Dirceu em Brasília, isso não significa que esse caso, por inteiro, não contenha uma das mais saborosas e instigantes matérias jornalísticas sobre política dos últimos tempos.
Acontece que, apesar de a matéria da Veja fazer parte de um jogo político da imprensa aliada ao PSDB e, portanto, não precisar de fatos reais, pois tenta apenas impor à sociedade a percepção de que o governo Dilma e o PT estariam infestados de gangsters e, nesse processo, procura, na falta de qualidade das acusações, produzir quantidade, faltava um mínimo de verossimilhança à “denúncia” contra Dirceu.
Na tentativa de tornar a matéria menos pífia, a Veja se valeu de método literalmente criminoso. Como é óbvio que o hotel que fez um Boletim de Ocorrência contra a tentativa do repórter da revista de invadir o quarto de Dirceu não cederia imagens de seu circuito interno de TV àquele mesmo repórter, ele instalou câmeras nos corredores do estabelecimento para conseguir as imagens que a Veja publicou.
O viés criminoso da revista, nesse caso, é uma bomba jornalística que reproduz, no Brasil, o escândalo de alcance planetário que se abateu sobre a imprensa britânica. É uma das maiores matérias jornalísticas que surgiram neste ano, no mínimo.
É verdadeira a acusação de José Dirceu? Que tal seria se a imprensa ouvisse as testemunhas? Por exemplo, a imprensa poderia entrevistar a camareira à qual o repórter da Veja Gustavo Ribeiro teria pedido que abrisse o apartamento de Dirceu alegando que aquele era o seu apartamento (do repórter) e que teria esquecido a chave em algum lugar.
O pessoal da recepção poderia ser entrevistado para comprovar ou não que Ribeiro se hospedou no hotel e pediu para ser alojado no apartamento contiguo ao de Dirceu e  que o repórter da Veja, ao ser denunciado pela camareira, fugiu do estabelecimento sem pagar a conta. Afinal, se Ribeiro se hospedou no hotel teve que fazer o check-in e o check-out. Se pagou a conta, deve ter o recibo do pagamento. Se não tem, fugiu.
Por que um repórter fugiria de um hotel no qual se hospedou?
Seria uma bomba jornalística se essa matéria fosse parar no Jornal Nacional, por exemplo. E mesmo nos telejornais da Record, da Band ou do SBT, seria uma bomba. Menor, mas uma bomba. No entanto, até a manhã de domingo, dias após os fatos, só saíram uma notinha escondida na Folha de São Paulo e outra em O Globo e uma matéria no telejornal da TV Cultura, em termos de grande mídia.
O silêncio desses indecentes pseudo jornalistas que controlam as redações dos grandes meios de comunicação é a prova final, para quem dela tomar conhecimento, de que o que essa gente quer não é liberdade de imprensa, mas liberdade para decidir o que você, leitor, deve ou não saber, pois há coisas que não querem que você saiba e outras que querem que você pense. Mesmo não sendo verdade.
—–
Conheça o império de comunicação da família Civita
Wikipédia
Editora Abril
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Editora Abril S.A.
Logo da Editora Abril
Tipo       Privada
Fundação           1950
Sede      São Paulo, Brasil
Pessoa(s) chave              – Roberto Civita – Presidente
Giancarlo Civita – Presidente executivo
Lucro     R$ 1,644 bilhão, (2007)
A Editora Abril é uma editora brasileira, sediada na cidade de São Paulo, parte integrante do Grupo Abril. Fundado em 1950 por Victor Civita como Editora Abril, o Grupo Abril é hoje um dos maiores e mais influentes grupos de comunicação da América Latina. Ao longo de sua história expandiu e diversificou suas operações, e hoje fornece conteúdo em multiplataformas.
Nos anos 40, os irmão Victor Civita e Cesar Civita fundaram a Editora Abril inicialmente na Argentina e lá conseguiram licença dos personagens Disney, Em 1945, em visita a Argentina, o jornalista Adolfo Aizen toma conhecimento da Editora Abril e resolve criar uma parceria para publicação de um título Disney no Brasil, “Seleções Coloridas” foi publicada em 1946 pela EBAL de Adolfo Aizen.
Em Maio de 1950, Victor Civita resolve fundar uma editora no Brasil, surge a Editora Primavera e sua primeira publicação foi a revista Raio Vermelho, em Julho de 1950, Civita passa a usar o mesmo nome da Editora argentina, “Editora Abril”.
A Editora Abril começou com a publicação O Pato Donald num escritório no centro de São Paulo, com seis funcionários. O nome da empresa é uma referência ao mês que dá início à primavera na Europa.
O crescimento experimentado pela empresa na década de 50, se intensifica nos anos 60, fruto combinado da publicação de obras de referência em fascículos, e do aumento de sua linha infanto-juvenil, incluindo o lançamento de Zé Carioca, em 1961, e de Recreio, em 1969, que circularia por 12 anos. Em 1968, passa a publicar Veja, revista jornalística de variedades que viria a ser a revista com mais circulação no Brasil.
Expandindo os segmentos, a Abril passa a publicar revistas sobre turismo e da indústria automobilística, (Quatro Rodas, Guia Quatro Rodas e Viagem & Turismo), Futebol (Placar), masculinas (Playboy, Vip e Men’s Health). Cria também inúmeras publicações voltadas ao público feminino: Capricho (que começou com fotonovelas e em 1981 foi reformulada para temas relacionados às adolescentes), Manequim (a primeira revista de moda da Abril), Claudia (que quando surge em 1961 focalizava a dona-de-casa), além de Estilo (versão brasileira da americana InStyle), Nova (versão brasileira da americana Cosmopolitan e Elle (versão brasileira da revista francesa homônima).
Em 1999 o grupo Abril adquire de parte das Editoras Ática e Scipione e em 2004 da totalidade das ações, ganhando importância no mercado brasileiro de livros escolares.
Em maio de 2006, Civita anunciou a sociedade com o Naspers, grupo de mídia sul-africano que esteve estreitamente vinculado ao Partido Nacional, a organização partidária de extrema-direita que legalizou o criminoso regime do apartheid no pós-Segunda Guerra Mundial. O grupo Naspers passou a deter 30% do capital do Grupo, incluindo a compra dos 13,8% que pertenciam aos fundos de investimento administrados pela Capital International, desde julho de 2004.
Segundo dados da própria empresa, hoje a Abril publica mais de 350 títulos, que chegam a 23 milhões de leitores. A Gráfica utiliza processos digitais e imprime cerca 350 milhões de revistas por ano. As editoras Ática e Scipione produziram mais de 4.300 títulos e venderam 37 milhões de livros em 2005.
—–
Atualização – 18:11 hs.
Hotel Naoum informou que as imagens que a Veja publicou não foram extraídas de sua câmera de segurança e que o repórter da revista, Gustavo Ribeiro, saiu do hotel sem fazer check-out, mas não ficou devendo a conta da hospedagem porque fez um depósito ao fazer o check-in no hotel e esse depósito foi usado para cobrir a conta não paga.
Confira notícia no link abaixo

8 comentários:

Anônimo disse...

Olha aí o que fez um dos prepostos da gang do Jader Barbalho, quando trabalhava no Governo do Tocantins:


Justiça tocantina processa secretário do Pará

Atual Secretário de Estado de Desenvolvimento Urbano e Regional do Pará, Márcio Godói Spíndola responde a processo no Juízo Criminal de 1º Grau de Palmas (TO) por suposto desvio de documentos públicos da Secretaria de Habitação do Estado do Tocantins, da qual era titular até ano passado. A denúncia envolve ainda o então Superintendente de Habitação do Estado, Luiz Cajazeira.
Por conta de notícia dada pela Srª. Rita de Cássia Rodrigues Pereira, de que em residência situada Capital haveria diversas caixas contendo documentos oficiais pertencentes à Secretaria Estadual da Habitação, foi determinada pelo Judiciário uma busca e apreensão nas casas identificadas como pertencentes a Márcio Spíndola e Luiz Cajazeira.
Contudo, diante da circunstância de ambos os envolvidos possuírem, à época, no exercício de suas funções, o chamado foro privilegiado, o juiz de primeiro grau reconheceu de ofício a incompetência do juízo e encaminhou os autos ao Tribunal, onde foram recebidos pelo Desembargador Moura Filho no plantão judiciário. A busca e apreensão foi deferida.
De acordo com o Diário de Justiça do Estado de Tocantins, de 22/03/2011, recebidos os autos a Procuradoria de Justiça manifestou-se pela remessa deles ao Juízo Criminal de 1ª Instância, “considerando a perda de foro privilegiado do representado Márcio Godói Spíndola”, o que deve ser feito conforme decisão publicada no Diário de Justiça de 27 de agosto em curso

http://quaradouro.blogspot.com/2011/08/justica-tocantina-processa-secretario.html

Anônimo disse...

O MEC tem dinheiro para que a UFPA faça um novo Campus. Porém, Jader e turma querem que seja lá para dentro de Ananindeua -Icuí. Que tal mandar carta para Dilma pedindo para que seja na BR para que todo de Marituba, Santa Isabel, etc tenha chance de concorrer???

Raul nascimento disse...

Gostei da sua postagem! Eu tenho um blog também... Tem como você visitar? Estou precisando de seguidores... Faz uma visitinha lá! Este é o linck: http://avozdajuventudecastanhal.blogspot.com/
Obrigado!

marcelo disse...

como sempre o pt com suas suposições. será que é mera suposição a construtora delta construçoes assossorada pelo dirceu ter feito contrato com o governo petista para locações de veiclos para a pm/pa sem precisar de sua consultoria?

Blog Ana Júlia disse...

Caro Sr. Marcelo,
Creio que o Sr deve se informar melhor dos fatos.
1- O Hotel também registrou queixa na Delegacia, que o meliante a serviço da Veja, tentou arrombar um apto do Hotel. Crime
1- O Hotel já declarou que as imagens exibidas pela revista não são de câmeras internas do Hotel. Ou seja, o meliante a serviço da Veja, instalou câmera clandestina para espionar os hóspedes do Hotel. Isso também já configura ato criminoso.
3- A Delta venceu processo Legal de aluguel de carros. Talvez o Sr não conheça, mas Ata de Registro de Preços é um Processo absolutamente legal. E o Governo aderiu à "Ata de Registro de Preços" do Governo de MT, vencida pela Delta para alugar carros para segurança pública.
4- O atual governo do Pará, do Psdb, fez licitação para alugar 1.200 carros e foi vencedora a mesma empresa Delta.
5- Não vi nenhuma manchete de jornal, ou comentário de radialista alegando que era uma irregularidade uma Construtora, como a Delta alugar carros para o Governo do psdb do Pará. 2 pesos, 2 medidas.
6- Com 2 pesoa e 2 medidas, é assim que costuma agir grande parte da imprensa brasileira. Que apenas achou e acha problemas em governos do PT e colocando pra debaixo do tapete os malfeiros dos partidos conservadores, como psdb e dem, entre outros.

Anônimo disse...

companheira o povo já está sentindo o que perdeu. o que podemos fazer em relação aos concursados do c125 seduc? waldir filho.

deivid campos disse...

po w me acompanha ai ana julia, gostei da sua inteligencia...




deivids3.blogspot.com

Anônimo disse...

é ana júlia; sua saida do governo não te dá o direito de nos abandonar, muita coisa ainda pode ser feita.OS CONCURSADOS ESTAO AÍ, A VER NAVIOS, O NAVEGA PARÁ ESTÁ SENDO BOICOTADA NOS INTERIORES POR MINI EMPRESÁRIOS LOCAIS, A JUVENTUDE NEM SE FALA, SE FU. MULHER NOS ACODE!!!!!!! SERÁ QUE ATÉ A PRESIDENCIA SE PERDEU. TE LIGA MEU.