Pesquisar este blog

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Mais rosa, por favor


Hoje a Superintendência de Seguros Privados - SUSEP (que é uma autarquia extremamente técnica), comunicou formalmente a aprovação de meu nome para ocupar a diretoria administrativa financeira da Brasilcap.

A decisão ocorre em um momento em que um estudo do  IBGC, Instituto Brasileiro de Governança Corporativa, aponta que as mulheres estão presentes em apenas 7,7% das vagas efetivas dos conselhos de administração das Empresas. Em cerca de 65% destes conselhos não há nenhuma mulher em vaga efetiva e em apenas 2,64% deles as mulheres são maioria. Os dados refletem também a composição das diretorias destas empresas. Aliás sou a primeira mulher a ocupar uma Diretoria na Brasilcap, que é uma empresa privada. .

Um beijo no coração de todos e todas, e um agradecimento sincero a quem ajudou a combater as calúnias lançadas contra mim.

----------------------------------

Mais rosa, por favor

Por Fatima Lopes, editora do Mulheres em Ação em 09/01/2012

Em um total de 2.647 vagas efetivas nos conselhos de administração de 454 empresas brasileiras listadas em bolsa, as mulheres ficam com apenas 7,7% desses lugares. Assim, não passam de 165 mulheres diferentes nos conselhos de administração. Pior: 65% dos conselhos não têm mulher entre seus membros.

As informações estão num levantamento realizado pelo IBGC, Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Segundo os dados, as mulheres são maioria em apenas 2,64% das empresas. Isso é ruim? É, e tanto para as mulheres quanto para as próprias empresas. “Uma preocupação de governança é que o conselho de administração seja muito diversificado,
porque seu papel, como o próprio nome diz, é aconselhar. É importante que o conselho tenha diversidade de experiências, vários especialistas que completem as necessidades da empresa, porque ele vai opinar sobre vários aspectos da companhia. A diversidade de gênero traz algumas vantagens, como uma forma de pensar diferente, uma sensibilidade maior. Até a própria dinâmica das reuniões pode ser outra”, explica Adriane de Almeida, superintendente adjunta de Conhecimento do IBGC.

Segundo ela, a falta de mulheres nos conselhos reflete a mesma situação que ocorre quanto às posições de diretoria das companhias, já que se recomenda que os nomes indicados para os conselhos tenham, como experiência anterior, sido o principal executivo de empresas. “Não
seria um preconceito contra a mulher, mas sim uma falta de mulheres líderes”, explica Adriane. Resolver isso, assim, ajudaria a colocar mais rosa nos conselhos. “Outro ponto seria mostrar para as mulheres líderes que existe o conselho de administração como alternativa de
segunda carreira”, diz.

Alguns países estabeleceram o sistema de cotas para mulheres nos conselhos de administração das empresas como forma de assegurar maior participação delas. O primeiro a fazer isso foi a Noruega. Uma lei, aprovada em 2003 e que entrou em vigor em 2008, estabeleceu 40% como percentual mínimo de participação feminina nos órgãos. No Brasil,
também existe um projeto de lei nesse sentido: de autoria da senadora Maria do Carmo Alves (DEM/SE), ele prevê cota também de 40% para mulheres, a entrar em vigou aos poucos (10% de participação até 2016, chegando ao percentual total em 2022).

Embora sem uma posição formal sobre o assunto, o IBGC, Instituto Brasileiro de Governança Corporativa, não acha a ideia de cotas lá muito confortável. De acordo com Adriane de Almeida, superintendente adjunta de Conhecimento do IBGC, a percepção é que a medida não seria necessária. “Isso pode acarretar até um problema de você colocar pessoas não qualificadas para preencher cotas, pessoas não preparadas, e que possa gerar uma barreira contra isso. Outro efeito é uma concentração demasiada em poucas mulheres [que seriam as procuradas para o conselho], acarretando outra situação que a gente também não acha muito favorável, que é a de conselheiros muito ocupados, que mulheres estejam em muitos conselhos só por serem mulheres e acabarem até não se dedicando tanto quanto deveriam para o papel de conselheira”, diz ela.

O IBGC não tem cursos de formação específicos para mulheres, mesmo porque isso contrariaria o conceito de diversidade. Mas tem cursos gerais de formação de conselheiros, presenciais, com duração de 64 horas. “Mas a gente pensa em criar, no futuro, uma discussão opcional àquelas mulheres que queiram falar sobre os desafios das mulheres nos conselhos”, explica Adriane. Para quem ficou interessada, o próximo curso já está agendado para dia 6 de março e as informações podem ser conseguidas no site do IBGC.


Percentual de mulheres nos conselhos de administração no mundo em 2011Fonte: Women on Boards 2011, estudo da Catalyst.


8 comentários:

Romerson Rodrigues disse...

Prezada Ana Júlia!

Parabéns pela aprovação de seu nome pela SUSEP. É você sempre na dianteira quebrando paradigmas através de sua luta e de sua capacidade.
ROMERSON RODRIGUES

blog disse...

Ana,
Parabéns pela aprovação... Sucesso !!!

um abraço
@AcaiGrosso

Bonanza disse...

Quero também parabenizá-la por ter sido um excelente governadora e pelo cargo que vai ocupar, e dizer que estamos lhe aguardando de volta ao Governo do Estado brevemente.

Miltinho disse...

Parabens e boa sorte minha Governadora preferida. beijos no coração. Miltinho

Ana luna disse...

Parabéns Ana Júlia. Sua competência sempre foi reconhecida. Nós Mulheres do PT estamos orgulhosas por tê-la como amiga e uma grande líder.
Um abraço
Ana Luna

Anônimo disse...

O RECONHECIMENTO É FRUTO DE PROJETOS QUE SE FIRMARA E DERAM RESULTADOS, PARABÉNS! CONTINUAREI A LHE APLAUDIR.

Anônimo disse...

As pessoas de bem cedo ou tarde serão reconhecidas. Faça valer essa promoção pois o povo precisa de pessoas como voce. onde quer que estejas.estaremos com voce. sou um dos milhares de alunos desse imenso Estado que foi beneficiado pelos seus programas de politicas publicas educacionais colocadas em prática por vc, salientando somente o navega pará e os quites escolares, que para os que já usufruem de bens materiais nao significou nada mas para os milhares de familhas de baixa renda foi uma bênção. Firme se cada dia mais em seus propositos de luta, pois a recompensa virá, a vc e a todos que esperao por vc.

Jose Amazonas disse...

Companheira,

Parabens pela nomeação para mais uma importante função no serviço publico.
Sei que voce tem a competencia necessaria para desempenhá-la.
Torço pelo seu sucesso.

Jose da Rocha Amazonas