Pesquisar este blog

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Marabá: atuação anêmica de Jatene em favor do Pólo Metal mecânico

Deu no blog da Franssinete Florenzano

"Marabá tem tudo para deslanchar como Polo Metal Mecânico, indutor do desenvolvimento regional, com fornecedores aos parques siderúrgicos previstos para a região, como por exemplo fabricantes de equipamentos para mineração, siderurgia, indústria e transporte, gerando novas oportunidades de negócios e empregos para a mão de obra local. Mas os empresários se queixam da falta de atenção, apoio e políticas de investimento do governo do Estado. Comparam a atuação aguerrida dos governadores Cid Gomes (CE), Renato Casagrande (ES) e Eduardo Campos (PE), que têm obtido grandes conquistas, com a atuação anêmica de Jatene, ao qual atribuem morosidade e inconsistência que afastam os investidores."

4 comentários:

Anônimo disse...

Uma visita aos blogs e páginas do Governo.

Página de hoje: SEICOM.

Já viu como são só promessas o anuncio de obras em Marabá.

A SEICOM viaja, passeia, promete, gasta recursos públicos em transporte e nada de concreto.

Veja o relatório de 6 meses. Só tem mineração, o resto promessas.

Seicom apresenta resultados de seis meses de recriação
Posted by ascomseicom on Agosto 11, 2012 in Blog da SEICOM, Nossos Destaques

O titular da Secretaria de Indústria, Comércio e Mineração do Pará (Seicom), David Leal, reuniu nesta quinta-feira (10) toda a equipe técnica do órgão nesta no auditório do Centro Integrado de Governo (CIG), ocasião em que as diretorias e núcleos especializados explicaram aos demais colaboradores as ações desenvolvida no primeiro semestre deste ano, e as atividades programadas, já em desenvolvimento, até o final de 2012. Foi o segundo encontro realizado com os colaboradores da Seicom este ano, sempre com o objetivo de “nivelamento da equipe do estamos construindo juntos nesse desafio de estruturar uma secretaria estadual que já é a casa do empresário, dos investidores, decididos em implantar projetos no Estado com preocupações ambientais, sociais, além da econômica, evidente”, salientou Leal.

Mas este segundo evento teve a presença do secretário Especial de Estado de Desenvolvimento Econômico e Incentivo à Produção, Sidney Rosa, convidado para acompanhar as exposições e sugerir correções de rumo. Ou apenas colaborar com novas idéias para as ações em já em curso, muito em função da experiência adquirida na iniciativa privada. Ao abrir a reunião, Sidney Rosa, enalteceu a iniciativa da prestação de contas que a Seicom estava fazendo, na qualidade de secretaria da área de produção, e descortinou o panorama positivo, na visão dele, que tem encontrado por onde viaja no interior do Estado, com destaque para crescimento do óleo de palma (dendê), no nordeste; do açaí, avicultura e a exploração de ouro no oeste do Estado.

Entre os resultados já alcançados pela Seicom, que ainda se estrutura como um órgão facilitador na atração de novos investimentos, estão a concessão de incentivos fiscais, iniciativas para a melhoria do ambiente de negócio no Estado e os projetos para o conhecimento, planejamento e fiscalização do setor mineral. Também foram mostradas as ações da secretaria para estabelecer e acompanhar os cenários de oportunidade no Estado em relação à urgência na transformação dos minérios explorados em solo paraense por meio da verticalização da cadeia produtiva e ainda registradas as ações fechadas para dinamizar os segmentos de serviço, comércio e o longo caminho para editar uma política industrial eficaz.

Para detalhar as principais atividades alcançadas no primeiro semestre deste ano, e o que já está em movimento até o final do ano, quatro diretorias, uma coordenação de captação de recursos e uma secretaria operacional da Seicom se revezaram nas apresentações com um tempo máximo de quinze minutos.

Projetos - Pela ordem de apresentação, primeiro falou o diretor de Desenvolvimento de Comércio e Serviço (DICS), engenheiro Airton Fernandes, que destacou, entrou outras metas atingidas, as tratativas para dinamizar e fortalecer os projetos do “Banco do Produtor”, cooperativismo, microempresas e a participação da Seicom na elaboração da “Política Nacional do Atlas de Serviços”, em discussão em Brasília (DF). O diretor de Geologia, Mineração e Transformação Mineral (Digem), geólogo Ambrósio Ishiraha, destacou as ações do futuro Plano Estadual de Mineração, por meio de oficinas temática do setor, a efetivação do Cadastro Mineral, da cobrança da Taxa mineral e o trabalho do grupo multisetorial (público e privado), o “GTAPLAN”, que já apresentou propostas à Sema para agilizar o licenciamento ambiental em áreas de mineração, um dos gargalos reclamados pelas empresas.

Registro : Douglas-Dinelly

Ascom-Seicom/Sedip

Dimitri Pontes disse...

Marabá ainda tem um longo caminho a percorrer até se tornar polo em metalurgia. A principal carência é na infraestrutura com ausência de transporte ferroviário ou hidroviário eficientes.

Por mais que a atuação do governo estadual se faça necessária, é sabido que boa parte dessa infraestrutura tenha que vir do governo federal com todas sua BR's e áreas federais ao redor de estradas.

Blog Ana Júlia disse...

Olá Dimitri Pontes. Obrigada por prestigiar meu Blog. Mas gostaria de lhe esclarecer alguns pontos importantes. Não fosse a luta do Governo do Estado quando fui Governadora e tambéms os investimentos do Governo Estadual, não teríamos a Siderúrgica ALPA, em Marabá; 1- O Estado investiu de recursos do Tesouro Estadual mais de 20 milhões de Reais para revitalizar o Distrito Industrial e implantar a 3ª Etapa do Distrito Industrial ampliando o DI de Marabá.
2- Foi a Luta da Ex-Governadora Ana Júlia(Eu), que permitiu que fosse concluída as Eclusas de Tucuruí,
3- Foi minha luta que permitiu a aprovação da construção da Hidrovia do Tocantins, que será decisiva para ba Siderúrgica ALPA, mas vai impulsionar o Pólo Industrial Metal Mecânico de Marabá.
4- Foi a nossa luta que garantiu um Porto Público em Marabá.
5- Foi a nossa luta como Governo do Estado que garantiu uma UNIFESSPA (Univerdidade Federal do Sul e Sudeste do Pará);
6-n E agora, quando existe uma situação que o Governo do Estado precisa resolver de desapropriação de uma das áreas que compõe a 3ª Etapa do DI Marabá, que foi adquirida no nosso Governo do Estado, o atual governo faz o que?: NADA. E isto e a falta de vontade de realmente implementar um Pólo Industrial na região é que faz com que a grande maioria das pessoas desta região vejam a atuação ANÊMICA DO GOVERNADOR ATUAL!.
7- Portanto Dimitri o que precisa é de um Governo que lute para mudar este modelo meramente exportador de matéria prima que temos no Pará; Mas o atual Governo pouco se interessa por isso, preferindo criar taxa de mineração para tirar dinheiro do extrativismo mineral tosco. Ou seja o Gov atual quer dinheiro, não tem interesse por indústrias, empregos, desenvolvimento da região e do Pará!!

Guilherme disse...

O que realmente quer é dinheiro para fazer as tais "grandes obras" e por consequência realizarem os grandes aditivos e na sequência... Lógico!Os exemplos estão aí, Estação das Docas, Mangal, Hangar, Hospitais Metropolitano e Regionais...